A mulher perfeita é uma vaca, Anne-Sophie e Marie-Aldine Girard

24 de julho de 2017
   "Todo mundo conhece uma mulher perfeita, aquela de modos requintados, corpo esbelto, ativa, culta, sem olheiras... e insuportável. Já você passa a vida toda lutando contra a balança, o chocolate, a preguiça de ir à academia, a falta de tempo, os planos que não dão certo. Você está sempre em busca da perfeição e, no fim, só o que consegue é se sentir infeliz. Pois saiba que ser perfeita é uma ilusão — e o pior: não evita celulite nem flacidez. Ao contrário, pode fazer muito mal à saúde e causar depressão. Este livro é o guia definitivo para as mulheres imperfeitas — ou seja, para todas as mulheres. Com ele você aprenderá a enxergar em si mesma as qualidades que a mulher perfeita jamais terá: por exemplo, saber como manter a dignidade mesmo estando de pileque, ter a consciência de que um quilinho extra pesa menos em uma alma mais leve e que para conseguir as respostas certas basta não fazer as perguntas erradas. Um manual prático e infalível criado pelas gêmeas Anne-Sophie e Marie-Aldine Girard, que reuniram nessas páginas todo um vasto conhecimento obtido a partir de extensas pesquisas, levantamentos detalhadíssimos e muitos happy hours com as amigas. As duas abusam da ironia e do humor ácido para derrubar os complexos que mais atormentam as mulheres e ensinar a cultivar uma autoestima indestrutível. Leia e entre definitivamente no mundo das mulheres imperfeitas que sabem desfrutar a vida!"
Título: A mulher perfeita é uma vaca | Autoras: Anne-Sophie e Marie-Aldine Girard | Editora: Intrínseca |  Ano: 2015 | Páginas: 160 | Nota: 3/5 | Skoob

   Eu não costumo ler autoajuda, na verdade eu nem mesmo gosto do gênero, mas quando se trata de títulos assim, sensacionalistas, às vezes eu até me interesso. A mulher perfeita é uma vaca já estava na minha lista há seculos, desde que eu vi a resenha em algum blog por aí (vocês vão me perdoar, mas eu não lembro exatamente onde foi) e a Yara Guez resolveu me surpreender e me deu o livro de presente no dia do amigo, então esta resenha é dedicada a Yara linda e maravilhosa! 

   O livro, escrito por duas irmãs gêmeas, cumpre quase tudo o que a sinopse diz sobre ele. É um guia para tirarmos de vez da cabeça a ideia de que deveríamos ser perfeitas ou que não somos boas o suficiente por não sermos o padrão de mulher que a mídia nos impõe. Ou seja: tá tudo bem se você deixou de caber naquela calça maravilhosa número 38 porque comeu um pedaço a mais de bolo de cenoura com cobertura de chocolate, tem uma passagem no livro que diz "uma mulher que não engorda é uma mulher que não come!".

   Carregado de um humor ácido e muito sarcasmo, o livro é muito gostoso de ler, rápido e leve. Me fez sentir muito menos culpada por não ser a filha, namorada ou mulher perfeita. Eu já pensava assm antes, que não precisava ser 100% o tempo todo, mas o livro reforçou a ideia na minha cabeça e desde então tenho me cobrado menos. Porque mesmo sabendo que o ser humano é falho, é um fato de que a mulher quando falha é muito mais cobrada que o homem. Então pra quê cobrar a si mesma o tempo todo se as pessoas já vão fazer isso por você de qualquer maneira? 

   A única coisa que eu, como feminista, não gostei no livro foi a falta de empatia. Ele passa, em alguns momentos, a ideia de querer nos colocar contra às mulheres que são consideradas "perfeitas", quando na verdade deveria passar a ideia de que cada uma de nós somos perfeitas do nosso jeito, com nossas manias, costumes e crenças. Por quê deveríamos considerar uma vaca aquela amiga que fez um bolo maravilhoso pra confraternização da empresa quando você mal sabe cozinhar um ovo? Tá errado, o fato de a colega ser boa em algo que nós não somos não faz dela uma vaca. 

   No final, nada de novo sob o sol, eu já sabia de quase todos os conselhos dados na obra, mas foi uma leitura gostosa e divertida (achei muito bacana algumas piadas e expressões) e que fez um reforço no propósito de ser eu mesma e me sentir bem assim. Tudo bem vestir 44, não preciso ter inveja da amiga que veste 36, sou bonita do meu jeito!

Inauguração da nova Biblioteca Municipal de Marília

19 de julho de 2017

   Foi inaugurada nesta quarta feira (19/07) em Marília a nova cede da Biblioteca Municipal "João Mesquita Valença" pela Prefeitura Municipal de Marília e a Secretaria da Cultura, em um novo endereço; completamente repaginada; com novas tecnologias e, é claro, um acervo maior e mais completo de livros. 
   Há alguns meses fomos avisados do projeto de reforma da Biblioteca e da possível mudança de endereço, a qual vários moradores da cidade se opuseram, mas que de fato ocorreu. Agora o prédio se encontra na Rua São Luiz, 1295 e atende pelo telefone 14 3433-7434. Eu e a nossa colunista Thayná Garcia fomos visitar a nova Biblioteca e temos muito pra contar pra vocês

  As novas instalações contam com mais de 800 metros quadrados, divididos em três pisos climatizados, sendo o Piso 1 (inferior) onde se encontra o auditório, a brinquedoteca, jogos de RPG, e espaço para oficinas e exposições, o Piso 2 (térreo) para a literatura nacional e internacional, livros infantis, gibiteca e o balcão de empréstimos e também o Piso 3 (superior) com espaço multimídia, biblioteca digital, acesso à internet, livros didáticos e também um cantinho para os cinéfilos. Além de contar com elevador e banheiros adaptados para portadores de deficiências físicas. Mas e o que achamos disso tudo? 

Opinião da Taísa: "Eu estou completamente encantada pelo lugar. Apesar de ainda acreditar que uma reforma poderia ter sido feita no mesmo antigo prédio, achei a nova localização de fácil acesso também. A decoração ficou incrível, dando possibilidade para lançamentos de autores, oficinas e vários outros projetos.
Gostei também da sessão de livros em braile, que ainda precisa crescer e trazer mais opções, mas que já é um avanço enorme. Achei muito interessante a nova programação também, que irá trazer eventos aos sábados e sem deixar de falar que ficou tudo MUITO LINDO!"



Opinião da Thayná: "Minha primeira impressão sobre o novo espaço da Biblioteca Municipal foi o sentimento de aconchego, foi impossível não ficar fascinada com o ambiente amplo, iluminado, com maior tecnologia e os novos investimentos no acervo.
Também não podemos esquecer dos funcionários prestativos, que estão à disposição para maiores explicações.
 Com certeza irá atrair boa parte da população, e tudo isso está ao seu alcance com apenas um cadastro. Para realizá-lo só é preciso levar seu RG, CPF, comprovante de residência e uma pequena contribuição de 5,00 reais."


Entre a Culpa e o Desejo, Sarah MacLean

Foto: O que tem na nossa estante

Sinopse: "Seu próximo experimento científico? Entregar-se a um canalha! Lady Philippa Marbury não é como as jovens de sua época. A brilhante filha do marquês de Needham e Dolby se preocupa mais com seus livros e experimentos do que com vestidos e bailes. Para ela, um laboratório é muito mais atraente que uma proposta de casamento, e é por isso que, ao ser prometida a um noivo com quem não tem nada em comum, Pippa tem apenas duas semanas para empreender seu último experimento: descobrir todos os prazeres e todas as delícias da vida antes de passar o resto de seus dias ao lado de alguém que ela mal conhece. Como boa cientista que é, Pippa investiga a vida do homem que parece ser a cobaia ideal para realizar suas experiências: Sr. Cross, o atraente sócio do cassino mais famoso e cobiçado de Londres, um libertino cuja má-fama foi cuidadosamente construída sobre o vício e a devassidão. Um canalha perfeito para explorar suas fantasias e satisfazer sua curiosidade sem manchar sua reputação de moça de família. Mas o que Pippa não sabe é que, por baixo das aparências, Cross esconde segredos obscuros e que, ao receber a proposta da garota, ele está diante de uma oferta que pode destruir tudo aquilo que durante anos ele se esforçou para proteger. Terrivelmente tentado a se envolver nessa aventura que promete o mais puro prazer sem qualquer outra emoção, tudo o que Cross deseja é dar a Pippa exatamente o que ela quer, mas ele sabe que ninguém sai ileso do caminho da satisfação e, assim, Cross terá de usar cada miligrama de sua força de vontade para não perder o controle e resistir à tentação de entregar à jovem muito mais do que ela ousa imaginar."


Título: Entre a Culpa e o Desejo | Autora: Sarah MacLean | Editora: Gutenberg | Ano: 2015  | Páginas: 304 | Nota: 4/5 | Skoob

Resenhas anteriores:

  Olá pessoal, sei que estou um pouco ausente mas estamos de volta com mais um livro da série "O Clube dos Canalhas" e eu não podia deixar de fora a história desse casal que é cheio de fofura do começo ao fim. Neste enredo iremos conhecer a Lady Philippa Marbury ou Pippa como ela gosta de sugerir, e nosso galã o Sr. Cross.

  Pippa é uma garota que sempre foi considerada "estranha", uma vez que os seus interesses são diferentes dos demais. Ela é fascinada por ciência, botânica e anatomia, enquanto as outras mulheres preferem falar sobre vestidos, sapatos e maridos. Porém, como tantos outros, Pippa está submetida à vontade de seus pais e não deseja decepcioná-los após o desastre ocorrido com o casamento de sua irmã mais velha, ficando à mercê de um casamento arranjado.
Apesar de ser uma fantástica cientista, Pippa é completamente leiga quanto ao funcionamento do casamento e está desesperada para adquirir mais conhecimento. É então que ela decide procurar o Sr. Cross, acreditando que o mesmo será o professor perfeito, segundo sua má reputação. Ela vai até ele com um único desejo, ser "arruinada".


  Cross é um homem muito inteligente (lindo também) e assim como Lady Philippa voltado a ciência. Ele tentará a todo custo convence-lá de que não é a pessoa mais indicada para lhe explicar sobre oque acontece em um casamento e também na noite de nupcias (que é sua maior curiosidade), mas acabará descobrindo o quão teimosa, inocente e tentadora ela pode ser.


  Este livro tem uma visão bem diferente dos demais, ele constrói um romance doce e inocente que desabrocha com o tempo. A escritora foca muito em sua personagem, contando sua história, seu modo de pensar e o amadurecimento da mesma no enredo. Pippa é uma garota peculiar e cativante e torna a leitura ainda mais prazerosa.


Heirs, 왕관을 쓰려는자, 그무게를 견뎌라-상속자들

17 de julho de 2017
   Oie gente tudo bem? Tô sumida sim, mas tô mais viva que nunca e voltei pra falar de Dorama, mais especificamente do K-drama de 2013 Heirs. É o terceiro drama coreano que eu assisto e estou ficando cada vez mais viciada no assunto, por favor me deixem dicas de dramas legais nos comentários ok? 

Sinopse: "A série segue um grupo de estudantes do ensino médio ricos, privilegiados, e de elite como eles são preparados para assumir impérios empresariais de suas famílias. Estes estudantes ricos parecem ter tudo sob controle, exceto suas vidas amorosas. Kim Tan (Lee Min-ho) é um herdeiro bonito e rico de um grande conglomerado coreano que é enviado para estudar no exterior, nos Estados Unidos. Na realidade, é uma forma de exílio, com seu meio-irmão mais velho de volta para casa, Kim Won (Choi Jin-hyuk) tendo esquemas para assumir os negócios da família. Enquanto que nos Estados Unidos, Kim Tan esbarra em Cha Eun-sang (Park Shin-hye), que chegou da Coréia do Sul em busca de sua irmã mais velha. Lentamente, ele se apaixona por ela, sem perceber que ela é a filha da empregada da família."
  Confesso que só me interessei em Heirs por causa do ator Lee Min-ho que eu conheci em Boys over flowers e me apaixonei, mas não me arrependo da escolha. Me encantei logo no começo, pois os primeiros episódios se passam nos EUA e isso foi um diferencial enorme pra mim que estou começando nesse mundo da cultura asiática, achei muito bacana ver os coreanos falando inglês.
  O casal principal tem uma química muito bacana, a atuação de Lee melhorou mais ainda e eu me torno cada dia mais fã do ator. O primeiro ponto ruim foi a protagonista ser muito teimosa, cabeça dura e inocente demais, meu deus do céu. Que guria lerda, levou vários episódios pra perceber o que sentia por Kim. Mas até aqui nada novo sob o sol, né colegas?

  O drama tem muita fofoca, confusão, barraco e trata muito da relação familiar também. O bullying é muito presente na série também, mas gostei da forma como esse assunto foi finalizado, os personagens se desenvolveram MUITO da metade pro final (principalmente a protagonista) e aprenderam a se impor mais, lutar por seus sonhos e defender aquilo que acreditam.
 Outra coisa que me incomodou porém foi o clichê perfil de Pai-do-mocinho-CEO-que-proíbe-o-namoro-do-casal-apaixonado e algumas cenas machistas (ainda muito presentes nos dramas) onde rola umas puxadas nos braços, uns abraços forçados e esse tipo de coisa. Mas elas foram poucas, então eu consegui persistir até o final.
   Ah, o final! Os poucos dramas que eu vi até agora costumam ter reviravoltas maravilhosas e de cair o queixo no final. Isso não aconteceu com Heirs, o final não foi ruim, mas bem mais simples do que eu esperava, não tiveram muitas reviravoltas chocantes, nada revelador e o final do casal foi bem "ok". Eu fiquei pensando "20 episódios pra ISSO?", poderia ter sido bem melhor, mas também não foi péssimo. Dá pra continuar vivendo e vendo outros dramas maravilhosos.
   O legal mesmo foi o entretenimento que a série me rendeu, a trilha sonora maravilhosa, as cenas fofas e engraçadas e o elenco MARAVILHOSO. 
Tecnologia do Blogger.