A Melodia Feroz, Victoria Schwab

30 de dezembro de 2017

Título: A Melodia Feroz (Monstros da Violência #1) | Autora: Victoria Schwab | Editora: Seguinte | Ano: 2017 | Páginas: 384 | Nota: 4/5 | Skoob | Recebido como cortesia para divulgação

Sinopse: "Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver."

   Seria esta a última resenha do ano, mores? Tô sumida sim senhores, mas finalmente colocando em dia as leituras graças as férias da faculdade. A Melodia Feroz, que introduz a duologia Monstros da Violência, é o segundo livro que leio da autora Victoria Schwab onde encontramos um cenário distópico após um colapso político, econômico e social. Só de saber que se tratava de uma distopia logo fiquei ansiosa para ler.

    Vamos conhecer os monstros! Existem três tipos deles: os Corsais que surgem dos atos violentos não letais e que comem ossos e carne, os Malchais que tem a pele cinzenta e se alimentam de sangue quase como os vampiros e por fim os Sunais, que surgem de crimes mais hediondos e portanto são os mais perigosos e raros também. Os monstros surgem quando um ato de violência é praticado, eles não nascem como os humanos, simplesmente surgem. Quão genial é isso? 

    Houve uma re-divisão nos Estados Unidos que conhecíamos, criando novos outros dez territórios independentes, sendo o mais importante Veracidade (ou Cidade V) que é subdividida entre Norte e Sul, humanos de um lado e monstros do outro. De um lado Callum Harker e do outro Henry Flynn, os governantes que há algum tempo criaram um acordo entre as espécies para a "melhor convivência", ou seja, uma trégua. Mas algo ou alguém está querendo começar uma guerra e é aí que os filhos destes governantes Kate e August se cruzam e desenvolvem a história. 

    A narrativa é ótima, a autora soube introduzir este universo complexo aos poucos e sem confundir nossas cabeças disparando informações. Os capítulos são alternados entre Kate e August, embora a narrativa seja na terceira pessoa, o que faz com que o leitor tenha uma visão bem ampla de todo o background da história. A leitura fluiu muito bem, não tão rápido quanto eu gostaria (pela falta de tempo), mas de uma forma tão intensa que a todo momento em que eu não estava lendo o livro eu de fato estava pensando nele e em lê-lo. 


   Os personagens são bem estruturados, Kate é uma garota decidida e que vai atrás do que quer, apesar de em alguns momentos se comportar como uma garota mimada, me identifiquei logo de cara com seu estilo e sua personalidade forte. August é bem dócil, porém misterioso, creio que tem muito para mostrar ainda. Estamos ansiosos para o desfecho dessa guerra? 

    Finalizei o ano com uma leitura espetacular e que me deixou literalmente de olhos grudados nas páginas, fiquei contente por isso, afinal estou com um ritmo de leituras muito lento ultimamente. As críticas sociais dentro das distopias sempre me animam a ler mais, então desejo a vocês um feliz ano novo com esta última resenha de 2017 e que em 2018 venham muitas leituras boas para nós todos!

Os 12 Signos de Valentina, Ray Tavares

13 de dezembro de 2017

Sinopse: “Isadora é ariana e seu ex namorado pisciano... Inferno astral! Em busca da combinação astrológica perfeita, ela cria um blog para relatar suas experiências. Isadora descobriu da pior forma possível que o namorado a traíra. E com sua melhor amiga, ainda por cima! A estudante de jornalismo entra numa fossa sem fim. Sem nenhum estágio à vista, ela se afoga em filmes feitos para chorar, pizza e em sua mais nova obsessão: stalkear o perfil do ex namorado no Facebook. Até descobrir exatamente o que deu errado entre ela e Lucas: seus signos são incompatíveis. Basta encontrar um rapaz de libra e seu mundo entrará nos eixos novamente. Com a nova obsessão e a desculpa do trabalho final de jornalismo online, uma reportagem investigativa sob um pseudônimo, Isadora une o útil ao agradável e cria um blog para relatar a experiência: Os 12 signos de Valentina. Já que precisa encontrar o libriano perfeito, por que não aproveita e experimenta os outros signos do zodíaco para ter certeza mesmo?”
Título: Os 12 Signos de Valentina | Autora: Ray Tavares | Editora: Galera Record | Ano: 2017 | Páginas: 392 |  Skoob  | Nota: 5/5

Oi, Oi, Oi.

   Esta aquariana que vos fala adora uma novidade e um tema diferente, então se você é a/o louca(o) dos signos como eu e está procurando uma leitura viciante e surpreendente do início ao fim, eu te apresento os 12 signos de Valentina!

   Isadora é uma garota super divertida e está cursando jornalismo. Tudo corria bem até o término do seu relacionamento de 6 anos com Lucas, que ocorreu por ela descobrir, justamente bem no dia do seu aniversário, que estava sendo traída há meses. Com sua amiga ainda por cima! Sem saber como seguir em frente e com dúvidas sobre quem era além daquele relacionamento, Isadora passa dias trancada em seu quarto, stalkeando o perfil do ex namorado e assistindo a filmes tristes, além de se empanturrar de pizza.

   Sua prima Mariana, que  já não aguentava mais ver a solidão e autopiedade em que ela se afundou, tenta arrastá-la a todo custo para  a noitada tentando trazer a antiga Isadora de volta. E quando ela decide sair e se divertir, termina  bêbada em um banheiro. Eis que ela tem uma grande revelação: Seu relacionamento nunca teria dado certo já que ela é de ariés e ele peixes, inferno astral!


   Percebendo sua nova obsessão por signos, sua prima sugere que ela passe o rodo no zodíaco (rsrs) até encontrar seu par perfeito, que seria alguém de libra. No início Isadora foi contra a ideia mas após descobrir que deveria criar um blog online como um trabalho investigativo para seu curso, sobre qualquer tema, decide  se aprofundar  no zodíaco e sair com um carinha de cada signo. E posta todas suas experiências em seu blog, com um nome fictício. 

   Será que ela encontrará um novo amor?

   É uma leitura maravilhosa e envolvente,  cheia de bom humor que aborda a auto descoberta, a independência das mulheres e o preconceito cada vez mais frequente com mulheres livres e decididas a fazer o que quiserem com suas vidas.  Cada personagem e seus respectivos signos são encantadores, todos com seu jeito peculiar. O livro me surpreendeu até no final, literalmente. Ray Tavares entrou para o meu grupo de escritoras as quais devo me atentar. Por fim, deixo uma pergunta pra vocês: E ai, qual seu signo?


Mulher Maravilha: Sementes da Guerra, Leigh Bardugo

11 de dezembro de 2017

Sinopse: “Antes de se tornar a Mulher-Maravilha, ela era apenas Diana. Filha da deusa Hipólita, Diana deseja apenas se provar entre suas irmãs guerreiras. Mas quando a oportunidade finalmente chega, ela joga fora sua chance de glória ao quebrar uma lei das amazonas e salvar Alia Keralis, uma simples mortal. No entanto, Alia está longe de ser uma garota comum. Ela é uma semente da guerra, descendente da infame Helena de Tróia, destinada a trazer uma era de derramamento de sangue e miséria. Agora cabe a Diana salvar todos e dar seu primeiro passo como a maior heroína que o mundo já conheceu.”
Título: Mulher Maravilha Sementes da Guerra | Autora: Leigh Bardugo | Editora: Arqueiro | Ano: 2017 | Páginas: 400 | Skoob  | Nota: 3/5

   “Alia ergueu a cabeça e a encarou. Tinha os olhos castanho-escuros e cílios fartos, o olhar temeroso, porém firme. Pela primeira vez desde que Diana a tirara da água, a garota parecia enxergá-la de verdade. 

– Onde estamos? Que lugar é este? 
Diana não soube o que responder, logo se limitou a dizer: 
– Esta é a minha casa.
Então saiu da caverna antes que Alia pudesse fazer qualquer outra pergunta.”

   Primeiramente aos fãs do filme já devo dizer que a história que se desenvolve aqui é bem diferente, especialmente dos quadrinhos que contam de outras formas sobre a vida das Amazonas e o nascimento de Diana.

   Inicialmente iremos conhecer Temiscira, suas belezas, sua “arquitetura” e como Diana vivia com suas irmãs antes de se tornar uma heroína.  Diferente das outras que renasceram como amazonas após morrem no campo de batalha, Diana foi forjada do barro pela própria Hipólita com a benção dos Deuses e por esse motivo ela sempre é tratada pelas demais como se não fosse merecedora de estar na Ilha ou ser chamada de amazona. 

   Até que um dia, durante um torneio, Diana avista um navio naufragar e contra todas as regras da ilha ela decide ir até lá para salvar quem puder. Quando ela ajuda Alia, uma garota negra, pequena e com tranças em seu cabelo, ela é a única sobrevivente a escapar até a ilha, que é extremamente proibida a qualquer humano, seus problemas estão apenas por começar.

   
   Ao levar Alia até uma caverna Diana desencadeia uma reação na ilha que tenta repelir a garota a qualquer custo, provocando abalos sísmicos, deixando Alia doente e até mesmo outras amazonas. Sem saber oque fazer Diana pensa em tirar a garota da ilha a salvo a todo custo, mas ela não podia prever a revelação do oráculo que afirma que Alia é uma semente da Guerra, descendente de Helena de Troia, uma maldição que leva o caos aonde quer que ela esteja sempre colocando os humanos uns contra os outros.

   Diana deve tomar então a decisão mais difícil de sua vida, ajudar alguém que ela mal conhece a sair de Temiscira, correndo o risco de ser banida para sempre.. ou permanecer onde está e deixar que os poderes de Alia aumentem e desencadeiam uma guerra mundial. 

   Nesta aventura iremos conhecer Nim, a melhor amiga de Alia, uma personagem indiana que sofre discriminação por ser lésbica e estar acima do peso. Também contaremos com Theo, seu outro amigo por quem Alia mantém uma paixonite, além de Jason, irmão de Alia.

   Este livro aborda temas como: Racismo, homofobia, discriminação e machismo com personagens que fogem dos estereótipos impostos e surpreendem até a última página. O ponto negativo é que a história demora para ganhar mais ação, devido a quantidade de detalhes e explicações sobre a história. 



Descendants of the Sun 태양의 후예

8 de dezembro de 2017
Sinopse: É amor a primeira vista quando o Capitão das forças especiais Yoo Shi Jin (Song Joong Ki) encontra pela primeira vez uma linda médica chamada Kang Mo Yeon (Song Hye Kyo). Mas mesmo antes de embarcarem nesse amor, os dois percebem que trabalham com valores opostos - um soldado que tira vidas e uma médica que as salva. Um ano depois do primeiro encontro, uma reunião fatal os leva para Uruk. Será que o amor entre Shi Jin e Mo Yeon será maior que as batalhas travadas em suas vidas?
   Descendants of the Sun estava na minha lista da Netflix há um bom tempo já, acho que desde o começo do ano, mas nunca tinha vontade de dar o play, mesmo vendo uma quantidade enorme de garotas nos grupos de dorameiras da vida falarem bem, eu não tinha coragem de começar. Meu problema com doramas é esse: eu demoro demais pra escolher algum. 

   Quando comecei já me apaixonei de cara, porque é completamente diferente de todos os doramas que eu já vi. É formado por adultos, fazendo coisas de adultos, sem pais controladores cagando regras nos relacionamentos (ok, tem um só, mas incomoda bem menos que nos outros doramas), sem aqueles puxão no braço de namoradinho mimado e abusivo e sem aquele clima escolar cheio de lenga-lenga. Além de ter cenas com bebidas alcoólicas, casal dormindo junto (bem morninho, mas já é um avanço) e por aí vai. 

   O drama trata do amor pela pátria, da responsabilidade com a profissão, do valor pela vida e daquelas que trabalham lutando por ela. Trata da amizade, da honestidade e como se não bastasse tem muito Oppa lindo. 


   De primeiro momento achei que iria ficar entediada com as partes do exército, mas pelo contrário, foram as partes que eu mais gostei. Já as cenas médicas achei que ficaram um pouco a desejar, mas pode ser pelo fato de eu já estar acostumada com Grey's Anatomy. E vamos combinar: o sotaque dos coreanos falando inglês é bem ruinzinho, né? 
    
    Outro ponto positivo do drama foi a atuação. Gente???? Teve uma cena em que Song Hye Kyo me fez chorar junto com ela de tão verdadeira, tão intensa e dolorosa. Mas no geral fiquei muito impressionada com a atuação de todos, realmente convincente e envolvente. Acho que já deu pra perceber que não teve ponto ruim na coisa toda, né? Terminei já com vontade de assistir tudo de novo, queria mais umas três temporadas pra começar, foi o melhor dorama que eu já assisti até agora. 

   Ah! E olha que legal, os atores Song Joong Ki e Song Hye Kyo se casaram na vida real! Não é o máximo? 
Tecnologia do Blogger.