25 coisas para fazer antes dos 25 anos

    Você já deve ter ouvido falar do projeto 101 em 1001 dias, certo? Que tem como objetivo fazer uma lista de coisas - e realizá-las - dentro deste período. Mas também deve ter ouvido falar de outro projeto semelhante: o 25 antes dos 25. Que consiste em uma lista de desejos, metas e sonhos para você realizar antes de completar os primeiros 25 anos de vida. Eu já havia visto o projeto em alguns blogs, mas nunca pensei seriamente em tentar participar de algum até que, recentemente vi o post da Mabel do blog Desejo Adolescente (clique aqui) e fiquei encantada com a lista dela. Então resolvi embarcar de uma vez por todas, já que só me faltam três anos e alguns dias até os 25. Dá tempo né?
    Apesar de ser muito desorganizada e avoada eu adoro metas. Me ajuda muito a focar se eu tiver algo pra me agarrar até realizar e geralmente eu só uso metas com as minhas leituras, funciona muito bem, então por quê não traçar planos para os outros aspectos da vida também? Vamos lá!

1 - Me formar
2 - Cortar o cabelo curtinho
3 - Ler 300 livros
4 - Fazer uma terceira tatuagem
5 - Ir na Bienal do Livro de São Paulo
6 - Ir ao cinema sozinha
7 - Viajar pra alguma praia que eu nunca fui
8 - Me tornar fluente em Inglês
9 - Escrever um livro
10 - Acampar em um lugar bonito e ver o sol nascer
11 - Ler algum livro em Inglês
12 - Andar de avião
13 - Morar sozinha
14 - Fazer uma mecha colorida no cabelo
15 - Dar uma festa temática
16 - Comprar uma câmera fotográfica decente e também um celular decente
17 - Viajar com os amigos
18 - Plantar uma árvore
19 - Conhecer New York (e o parque de Harry Potter em Orlando)
20 - Ser fotografada por alguém (ensaio)
21 - Viajar sozinha
22 - Ir à uma rave
23 - Aprender algum estilo de dança
24 - Ler As Crônicas de Gelo e Fogo
25 - Emagrecer 10kg

    O objetivo era listar coisas que me fariam sentir bem, me fariam sentir realizada comigo mesma. Tentei não focar em coisas que envolvessem muito o dinheiro (claro que algumas vão, necessariamente), mas a ideia não é mostrá-las como coisas palpáveis que eu conquistei e adquiri. Na verdade a minha meta é me fazer feliz vinte e cinco vezes antes de completar vinte e cinco anos e por isso a maioria dos itens são coisas simples e fáceis de se realizar. Uma ou outra vão precisar de investimento, mas o importante é a intenção por trás de tudo isso. E quanto ao último item: eu engordei 10kg no último ano, então por na lista é sim uma forma de me impulsionar a perdê-los.
    E você? O que gostaria de realizar antes dos 25? 30? Ou mais?

Resenha: The Kiss of Deception, Mary E. Pearson

    "Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro? Quando se vê refugiada em um pequeno vilarejo distante o lugar perfeito para recomeçar ela procura ser uma pessoa comum, se estabelecendo como garçonete, e escondendo sua vida de realeza. O que Lia não sabe, ao conhecer dois misteriosos rapazes recém-chegados ao vilarejo, é que um deles é o príncipe que fora abandonado e está desesperadamente à sua procura, e o outro, um assassino frio e sedutor enviado para dar um fim à sua breve vida. Lia se encontrará perante traições e segredos que vão desvendar um novo mundo ao seu redor."

Título: The Kiss of Deception (Crônicas de amor e ódio #1) | Autora: Mary E. Pearson | Editora: DarkSide | ISBN: 9788566636864 | Páginas: 406

Livro cedido gentilmente pela DarkSide para resenha*
    The Kiss of Deception pode parecer um pouco clichê quando você lê a sinopse, mas logo de cara me interessei pela leitura porque eu nunca li algo do gênero: Princesas, príncipes e tudo mais o que envolve realezas. Sempre fugi de livros assim porque era tudo muito igual, todas as vezes. Como nos contos de fadas. Mas a capa; a sinopse e a promessa de algo sombrio na história de Mary E. Pearson me convenceu a ler este livro. A possível existência de fantasia e os rumores de que a força feminina é poderosa nessa trilogia. Então hoje vou falar um pouco do que eu achei.

    Lia era a Princesa Arabella de Morrighan, de casamento marcado com o Príncipe do reino de Dalbreck que ela nunca conhecera. Estava se casando apenas para selar a paz entre dois reinos e também por ser a Primeira Filha, conforme as tradições. Mas ela tinha três irmãos mais velhos e uma personalidade forte, ou seja, era esperado que ela não abaixasse a cabeça diante deste casamento repleto de interesses políticos. E ela não o fez. Trocou tudo o que tinha para viver como uma garota normal, por mais difícil que isso fosse e ela fez de tudo para que este recomeço desse certo.
    Mas o que ela não espera é que seu então prometido príncipe estava a sua procura, tanto quanto um bárbaro enviado para matá-la a fim de receber recompensa por sua cabeça. Sem revelar a quase ninguém sua verdadeira identidade e vivendo como empregada de uma pequena hotelaria/pensão da cidade ela vai aprender que a vida é muito mais do que ela via pelos arredores do castelo e vai almejar como nunca um amor de verdade.
    Eu disse que parecia clichê, mas não se deixe levar apenas pelo que a história parece ser. A autora soube transformar o enredo comum de princesas e príncipes em algo só dela, criando um universo fantástico bem original. Ela criou até mesmo um dialeto diferente para o povo de Venda. Aliás, os vendanos me lembraram um pouco os dothraki, por seus modos selvagens; sua fama de cruéis e assassinos e também por terem um idioma só deles.
    A narrativa de Mary é fácil de entender e muito gostosa de ler, mas a dica é prestar atenção em tudo, pois o ponto mais chamativo do livro é que ela não revela quem é o Príncipe e quem é o Assassino, ela apenas apresenta os dois ao leitor e dá algumas dicas de quem é quem, mas assim como eu você pode ser enganado e ter um clímax enorme na hora da revelação. Outro detalhe é que os capítulos são alternados e, às vezes, quem narra é Lia; às vezes Rafe; outras Kaden e ainda há alguns capítulos em que a narrativa é do Príncipe e outrora do Assassino, ou seja, nessas duas últimas opções é quase impossível saber de quem é aquele ponto de vista. Mas, o suspense foi a melhor parte do livro e valeu muito a pena no final, não me atrapalhou em nada.
    Os personagens foram muito bem construídos e eu me apaixonei por cada um a sua maneira, mas Lia ganhou meu coração. Ela é forte, corajosa, esforçada, madura e luta até o fim pelos seus objetivos. Mesmo quando o perigo é assombroso e eminente e ela parece ter perdido ela continua de cabeça erguida, sempre pensando ou imaginando alguma saída. Ela é guerreira. E eu nem sei quais adjetivos mais usar para convencer vocês do quanto ela é maravilhosa. Mas Rafe e Kaden também me conquistaram. Talvez eu não tenha ficado muito feliz com o fato de ter um triângulo amoroso, afinal só torci por um deles ganhar o coração da princesa. Mas é impossível negar que os dois são encantadores.
    A história é interessante, a leitura fluiu maravilhosamente bem e o livro me fez refletir várias vezes sobre questões como igualdade entre gêneros, ou seja, meu lado feminista até tremeu durante a leitura. Mas a única ponta que não foi explicada ainda e que me deixou intrigada foi o fato de o pai de Lia não tê-la procurado, sequer para puni-la pela traição de ter fugido. Mas acredito que isso venha a ser explicado nos próximos livros, já que o primeiro acaba bem aonde o segundo começa.
    Quanto ao trabalho gráfico da editora, só posso dizer que estou perplexa com tamanho capricho, delicadeza e cuidado da DarkSide. O livro veio em um embrulho super fofo, com poster e marcador de páginas e além de tudo tem um cheiro de flores na capa que é apaixonante. As folhas são amareladas, a fonte em um tamanho bem bacana e dentro do livro encontramos o mapa de todo o universo que Mary criou, eu adorei. Belo trabalho!  

Séries: O que eu achei de Marvel's Daredevil

    Oie, tudo bem gente? Vocês já devem ter notado que a parceria entre a Marvel e a Netflix se solidifica a cada dia mais, aumentando o catálogo do serviço de streaming com séries de vários personagens que nós amamos dos quadrinhos. Eu, confesso, que não acompanhei muito os personagens da Marvel, mas me interessei pelas séries e hoje vou falar um pouco do que eu achei de Daredevil (as duas primeiras temporadas).
    Matt Murdock foi vítima de um acidente que o deixou cego ainda quando criança, mas também deu a ele poderes sensoriais. Depois de perder o pai, ele não só aprendeu a lutar e se defender dentro de suas limitações como também entrou na faculdade de Direito. Mais tarde abriu, na perigosa Hell's Kitchen, sua própria firma de advocacia com seu amigo Foggy. Mas a criminalidade é tanta que ele não consegue combater apenas como advogado durante o dia, por isso se torna um justiceiro durante a noite. The Devil of Hell's Kitchen.
    Na primeira temporada o enredo é ótimo e tem tudo o que é preciso para nos prender. Bastante ação; um vilão digno de ser odiado; suspense e diálogos muito bem trabalhados. Pessoas normais, tentando combater preconceitos; dificuldades e ajudar o próximo. A única coisa que me incomodou foi algo em que a maioria erra: a polícia é extremamente lenta/burra em quase todas as séries. A dificuldade pra vencer o vilão foi tamanha que me deixou irritada em vários momentos, quando eu achava que ele tinha se ferrado PLAU: não tinha. E eu esperava um final pior pra ele, mas como eu não acompanhei os quadrinhos tudo bem. A série teve uma primeira temporada brilhante, extremamente fabulosa. Me ganhou.

    a expectativa era enorme, por saber que surgiriam mais dois personagens da Marvel Comics: O Justiceiro e a Elektra. Mesmo sem conhecer quase nada sobre eles eu fiquei eufórica e ansiosa para assistir e ver o que a presença deles poderia acarretar na série: mudanças para melhor ou pior. E me decepcionei bastante, pra ser sincera.
 Na segunda temporada tudo começa com um tal assassino retalhando gangues em Hell's Kitchen, ou seja, matando outros assassinos e criminosos, fazendo justiça com as próprias mãos. As definições de "bom" e "mau" ficam um tanto comprometidas. Não sabemos separar com clareza quem é o mocinho e quem é o vilão, como na primeira temporada.
    Ao mesmo tempo em que Matt precisa descobrir quem é o Justiceiro sangrento que tem deixado a cidade com medo, ele precisa lidar também com problemas do passado (Elektra, a ex que é um assunto complicado e que voltou porque precisa da ajuda dele). Com isso ele acaba se afastando de Foggy e até mesmo brigando com o amigo várias vezes, além de também chatear Karen, ou seja, o trio carismático quase nem interage nessa temporada e várias vezes fiquei com uma raiva absurda de Matt pela quantidade de mentiras e mancadas que ele dá com os amigos.
     O enredo fica bem confuso porque tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. O justiceiro de um lado e Elektra de outro, trazendo a trama novos inimigos extremamente perigosos. Confesso que não gostei nada da Elektra na série (podem me xingar, não li mesmo as HQ's) achei ela chata; arrogante; mimada e o plot dela é muito entediante. Assisti até o final na marra mesmo.
    Talvez pra quem é fã da Marvel e conheça os personagens melhor que eu a temporada tenha sido incrível, pra mim o ponto mais alto foi o Justiceiro e fiquei feliz de saber que será produzida uma série só dele. Ele foi a revelação aqui e roubou a cena da melhor maneira possível.

Wishlist de Aniversário

    Oie, gente, tudo bem? Olha só quem tá pra completar 22 anos de vida: eu mesma. Me sinto às vezes como se ainda tivesse dezessete e, em outras, como se já tivesse trinta. A quem dizia que a fase dos quinze era a pior, respondo: mentira. A transição da adolescência pra vida adulta, que geralmente ocorre nos 20 e tantos, tem sido bem complicada pra mim. Mas estou feliz por apagar mais algumas velinhas logo logo - no dia 8 de Junho - e vim aqui hoje para compartilhar com vocês algumas coisas  que eu gostaria de ganhar nesta data, coisas aleatórias do meu lado menininha de ser e, claro, vou mostrar alguns livros que estão na minha lista de desejados também.
   
    Eu não costumo mostrar por aqui meu lado menininha (que é enorme) porque tento focar o conteúdo do blog em coisas que vocês já estão acostumados. Mas hoje decidi colocar outras coisas na playlist além de livros. Cliquem no valor de cada produto para ser redirecionado à loja: Bota Overtheknee Vizzano (R$ 149,90); Scarpin Vizzano (R$ 79,90); Camisete Jeans Renner (Esgotado); Melissa Flox (R$ 130,00); Kindle Paperwhite (R$ 479,00); Camiseta The Flash (R$ 69,90); Headset Multilaser (R$ 57,90); Pincéis Quem disse Berenice? (R$ 37,90); Mason Jar Imaginarium (R$ 49,90) e Bolsa sacola Butterfly Sofiano (R$ 69,90). Ok, agora vamos aos livros:
   Estilhaça-me; O lado mais feio do amor; Trono de Vidro; A espada do verão; Carta de amor aos mortos; Proibido; Não Olhe! e Para todos os garotos que já amei. Todos são livros que eu desejo ter na minha estante há algum tempo já, ouvi falar que são ótimos e li resenhas que me deixou apaixonada por eles. A maioria já são lançamentos "antigos", mas que me arrebataram e estão na minha meta de leitura deste ano. Espero ganhar algum deles, pelo menos.
   O Projeto Rosie; Um mais um; Depois de você;  A garota que você deixou para trás; A menina da neve; Orgulho e Preconceito + Razão e Sensibilidade e Alice. Como podem ver, também gosto de leituras mais fofas e estes livros também estão na minha meta. Adoro a Jojo; quero muito conhecer Jane Austen e, confesso: nunca li Alice. Mas Victoria Aveyard tem me deixado com a pulga atrás da orelha desde o lançamento de seu livro. Preciso ler todos estes logo!
   Eleanor & Park; O diário da Princesa; Baía da esperança; 20 e poucos anos; The 100; O primeiro último beijo; Mulheres e A Torre. Quanto livro, né gente? É que a listinha vai ser entregue aos familiares e amigos então a indireta é forte: pelo menos um livro da lista eu quero ganhar de presente. E estes são tão lindos e eu quero há tanto tempo que nem sei explicar. Mas o último livro, A Torre, é um lançamento da Leya e eu estou muito empolgada pra ler por motivos de ser fantasia.
    Bom, minha playlist é essa gente. Fiz ela grande assim pra poder dar bastante opção pro namorado indeciso e para aquela amiga ou aquela tia que nunca sabem o que me dar. Agora não tem desculpa né? Ta sobrando palpite.


Resenha: Dama da meia-noite, Cassandra Clare

   "Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira."
Título: Dama da Meia-Noite | Autora: Cassandra Clare | Editora: Galera Record |  ISBN: 9788501401083 | Páginas: 574
Livro cedido em parceria com a editora Galera Record para resenha

     Oie gente, tudo bem? Não é segredo pra ninguém que acompanha o blog o fato de eu ser apaixonada pela escrita da Cassandra Clare, certo? E não poderia deixar de ler seu mais novo trabalho, o primeiro volume da série Os Artifícios das Trevas. Mas antes de começar a resenha eu vou dar uma dica pra quem estiver interessado em ler o livro: é praticamente obrigatório ler Os Instrumentos Mortais antes de começar esta nova série, porque tudo começa lá. Os personagens são introduzidos lá e uma parte do enredo também. Eu ainda não li a trilogia As Peças Infernais (da mesma autora) e sinto que deveria ter lido também, antes de tudo, mas o fato de não ler a trilogia não me atrapalhou muito. Ok, dica dada, vamos a resenha. 
    Cassandra continua escrevendo maravilhosamente bem, sempre dando mistério nas coisas e depois revelando cada segredo. Fazendo todas as peças se encaixarem aos poucos e não tudo de uma vez, como em muitos livros de fantasia. Ela vai dando as cartas e deixando o suspense no ar, para que descobrimos devagar e com os personagens, o que torna a trama muito mais instigante e não deixa o livro (que é bem longo, com 574 páginas) cansativo
    Os personagens estão 5 anos mais velhos de quando foram apresentados a nós (lá em Cidade do Fogo Celestial) e evoluíram muito. Quando tive o primeiro contato com eles confesso ter achado alguns deles EXTREMAMENTE irritantes ou entediantes, mas agora ficou a pergunta: como não amar? É um time perfeito. Cada um deles tem uma característica importantíssima e necessária no mundo dos caçadores de sombras e a forma como protegem uns aos outros é linda demais. Amei cada personagem do livro, mas principalmente as mulheres. Cassie trabalhou muito no empoderamento feminino neste livro e foi o que me ganhou logo de cara. Nada de personagens mulheres fracas e que não sabem lutar. Emma Castairs (a principal) é a melhor Caçadora de Sombras da sua geração, "o novo Jace Herondale". Charmosa; sarcástica; inteligente; engraçada e GIRL POWER.
    Outro ponto positivo é que: enquanto em TMI¹ não temos muita tecnologia, em Os Artifícios das Trevas somos apresentados a Caçadores de Sombras que usam celulares; computadores; vêem filmes mundanos; ouvem músicas mundanas e tudo mais. Coisa que você deve ter visto na série Shadowhunters, mas não era algo presente nos livros até então. Enfim, ficou muito mais divertido vê-los familiarizados com alguns costumes dos humanos e isso ajudou muito no próprio enredo. 
    Mais uma vez temos um amor proibido na trama e talvez isso pode ser chato pra você (vai do seu gosto), mas eu particularmente gosto de histórias em que o casal demora bastante pra ficar junto, porque geralmente depois que fica é pura melação né? Então adorei a dosagem de drama no livro. De suspense; ação e fantasia também. Cassandra Clare se superou, vejo grande potencial na série e imagino que possa ser muito melhor que TMI.

¹ = The Mortal Instruments

Playlist: musicas calminhas pro inverno



    Oie gente, tudo bem? Não sei se vocês costumam ouvir música sempre, mas eu ouço o tempo todo. Em casa; nas folguinhas do trabalho; durante uma viagem; enquanto eu desenho e quando eu não posso ouvir gosto de cantarolar também. Principalmente quando estou cozinhando. E, ultimamente, tenho ouvido muita musica calminha, pra relaxar e aliviar a tensão constante da ansiedade. Porque quem sofre de ansiedade sabe o quanto é difícil sentar e relaxar numa boa. Esvaziar a cabeça.
    Bom, eu fiz recentemente uma playlist no spotify com algumas musicas que eu gosto de ouvir nestes momentos. São de vários estilos, mas sempre mantendo o clima gostosinho e o timbre aconchegante. Tem Tiago Iorc; Clarice Falcão; Dandis; Tribalistas e várias outras coisas gostosas de ouvir. Espero que gostem da seleção que eu fiz! 


    Se quiserem deixar dicas de musicas pra eu adicionar na playlist nos comentários eu vou ficar feliz. E sigam meu perfil no Spotify pra eu ouvir as músicas de vocês também.