Resenha: Livro X Filme: Garota Exemplar

30 de março de 2015
Foto: Nuvem Literária
SinopseGarota Exemplar - Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. Com 4 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo – o maior sucesso editorial do ano, atrás apenas da Trilogia Cinquenta tons de cinza –, "Garota Exemplar" alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele? Skoob.
Pontuação:

Título: Garota Exemplar | Autora: Gillian Flynn | Editora: Intrínseca | ISBN: 8580572908 | Páginas: 448

    Oie gente, tudo bem? Bom, hoje eu vim trazer uma resenha diferente pra vocês. Um tipo de resenha que eu nunca fiz aqui no blog "Livro versus Filme", proposta pelo Book Club que eu já apresentei pra vocês neste post aqui. E o tema do mês era um livro de suspense, o escolhido foi nada mais ou menos que Garota Exemplar. O que deixou tudo mais interessante, pois era um livro que eu nunca tive intenção de ler, que dirá ver o filme e, acabei me surpreendendo.
    Como eu disse, não tinha interesse algum na história e, consequentemente, não esperava muito da mesma quando eu comecei a ler. Mas o mistério me envolveu de tão absurda forma que em dois dias eu já havia lido mais de cento e cinquenta páginas. Ou seja, pegar no ritmo não foi difícil e, foi como um suplemento para o cérebro. É de recuperar e matar instantaneamente qualquer ressaca literária.
    Porém antes de realmente apurar os fatos e as diferenças entre o livro e o filme, quero deixar claro o quanto eu gostei da escrita de Gillian, que além de ser criativa (o que eu sempre levo em conta); foi muito estratégica e inteligente. Afinal, não deve ser tão simples apenas sentar e escrever um personagem psicopata como se fosse algo natural que fazemos todos os dias. Houve muito, acredito eu, pra que a autora conseguisse construir de forma metódica e colocar nos papéis cada ideia sua e este é o fato mais extraordinário em tudo. A pesquisa, o trabalho por trás do livro.
    Indo então ao ponto, ambos me agradaram. O livro é, como eu acredito já ter deixado claro, surpreendente. E o filme é ainda sim muito emocionante e, mesmo tendo lido o livro fiquei com um gostinho de mistério como se eu não soubesse onde as coisas iriam chegar. Tudo é muito bem feito para prender o leitor e o espectador: você nunca sabe até saber então de fato. Ás vezes imaginamos Nick como um cara babaca, porém inocente e, ás vezes vemos Amy como uma mulher não tão exemplar assim, mas deplorável. O fato é que estas oscilações ocorrem o tempo todo, principalmente no livro, e só a partir de um capítulo revelador é que descobrimos a história como ela realmente é. E aprendemos que nem sempre aquele que não é vilão é o mocinho.
    Senti falta de algumas coisas na adaptação, é claro, como em todas as outras adaptações algumas cenas sofrem um choque e são descartadas, mas creio ter sido proposital aqui. Porque mesmo tirando aqui e lá, o filme chegou muito perto e foi muito real. Mas o lago era essencial e não apareceu, o que deixou no ar algumas cenas que eu adoraria ter visto. E, cortando cenas eles mudaram também alguns detalhes, entretanto, não causaram tanta diferença. Afinal, o roteiro cinematográfico também foi escrito pela autora e isso ajudou (e muito) na fidelidade.
    Nem preciso dizer o quanto eu gostei da história, do drama; do suspense bem feito; dos personagens extremamente bem elaborados e de como um detalhe levou ao outro. Tanto no livro quanto no filme, fiquei ligando os pontos para decifrar a mente de Amy e Nick. Dois seres humanos desprezíveis aos quais eu odiaria conhecer, mas que são reais e existem aos montes na sociedade e nós ao menos notamos. Bem retratados e necessitados de terapia, o casal é repugnante, porém com mentes brilhantes. Fica a dica do livro e do filme pra quem gosta de suspense e, sinto não deixar fotos desta vez, mas eu não li em forma física tal livro.

Outros Blogs Participantes:


 posts do book club



5 comentários:

  1. Excelente resenha, Thaísa. Acho que nossas opiniões dentro do grupo quanto ao livro e ao filme foram bem semelhantes. Ambos são realmente incríveis. Adorei essa proposta de fazer comparações, principalmente quando a adaptação acaba sendo fiel à obra original.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cecí, também adorei fazer comparações na resenha. Espero comparar, um dia, um filme que não tenha sido fiel. Aí sim teremos muito a falar sobre, mas o grupo está me dando oportunidades maravilhosas de conhecer livros muito bons. Tô amando!

      Excluir
  2. adoro demais, muito bom! Os dois. São super legais!
    E olha que nem todos são bons em!
    Um abraço, Mundo da Fani
    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fani não entendi muito bem sua frase final, mas os dois são realmente muito bons!

      Excluir
    2. Fani não entendi muito bem sua frase final, mas os dois são realmente muito bons!

      Excluir

Tecnologia do Blogger.