Resenha: Cidades de Papel de John Green

6 de maio de 2015
SinopseQuentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma. Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte. Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Título: Cidades de Papel | Autor: John Green | Editora: Intrínseca | ISBN: 9788580574555 | Páginas: 256

     Quem acompanha minhas resenhas sabe e, quem não acompanhava até agora vai ficar sabendo que, o romance Quem é você Alasca? de John Green não me agradou, o que, me deixou numa dúvida cruel a respeito do autor, porque eu adorei A culpa é das estrelas e fiquei com uma opinião ímpar. Duas linhas de pensamentos diferentes, mas, como eu gostei do modo de escrever de John, lhe dei mais uma chance e encarei Cidades de Papel, o livro sobre qual nós vamos falar agora.
     Eu tenho o costume de ler alguns livros sem ler suas sinopses, leio o título; vejo a capa; imagino uma história e então começo a ler. A ideia é não criar expectativas e me surpreender com algo que eu imaginava totalmente diferente, mas eu só faço isso quando já conheço o autor e já li pelo menos um livro dele antes. Foi o que eu fiz com este aqui, eu não li a sinopse de Cidades de papel e não sabia do que se tratava exatamente, até eu começar a ler e o resultado não foi menos que extraordinário.
     John me convenceu de que sua escrita vale muito a pena, ele narra muito bem a história de uma maneira que não fica cansativa nunca. Eu enrolei dias pra ler este livro pois estava dedicando meu tempo a outras coisas, mas Cidades de Papel é tão bem escrito e narrado, com um enredo tão extraordinário que você consegue ler em dois dias caso tenha tempo livre. Porque o livro é muito bom, as coisas não demoram tanto a acontecer e você se encontra desesperado pra saber o final. Mas depois que acaba, não gostaria que tivesse acabado. Foi essa a sensação que eu tive.
     Quentin é um personagem bem trabalhado, assim como seus amigos e a adorada Margo. A diferença é que Quentin evolui muito durante a história, deixa de ser medroso pra ser corajoso, aprende a ver o mundo e as pessoas ao seu redor se outra maneira e entende que a vida deve ser muito mais que se formar; trabalhar e ter uma família. Quentin muda para muito melhor ao decorrer do livro, assim como Ben e Radar aprendem algumas coisas com seus respectivos relacionamentos amorosos e até mesmo na amizade do trio. Já Margo Roth Spiegelman não muda tanto assim, desde o começo do livro ela é uma personagem irritantemente egocêntrica, fechada e acha que a vida de todos devem girar em torno dela e de seu mundo particular. Isso me irritou um pouco, não vi evolução em Margo, ela é inteligentíssima, mas não se permite amar e se envolver. Acha que sabe tanto sobre a vida livre e tem um estilo até admirável de levar a vida, mas não sabe que ninguém consegue sozinho. Mas assim como seus defeitos ela tem suas qualidades: personalidade forte; determinação; convicção e opinião própria. Margo vai atrás dos sonhos dela e isso é muito importante.
     Agora que já sabemos que a narrativa é boa, já conhecemos os personagens, vamos falar sobre o que eu achei do enredo. Eu achei o enredo espetacular, original e criativo. Deus, como eu amo livros assim. Com histórias criativas e diferentes. Achei que o livro abordou inclusive, temas muito legais. Como: a vida é simplesmente estudar, trabalhar, envelhecer e ter uma família? Como devemos reagir diante de algumas situações na vida? Acho que aprendemos muito com Quentin aqui. Mas estamos falando da história, vamos focar nela. Gostei muito do rumo das coisas, das amizades e principalmente do humor envolvido. Morri de rir com algumas cenas e de me lembrar que muitas pessoas são como os personagens deste livro, os meninos principalmente. São como pessoas reais.
     A história não nos leva simplesmente, ela nos carrega no colo. São muitas aventuras, trapalhadas, um rumo louco e completamente convidativo. Você não consegue parar de ler até chegar no final. E que final! Achei muito inteligente da parte do autor, aliás, achei foda demais o final e entendo completamente as razões de Margo. Quem disse que ela é, ou que nós somos obrigadas a ficar? Quem disse que, só porque amamos alguém, devemos sacrificar nossas escolhas e sonhos por eles? Margo desejava mais da vida, tinha ambições e sonhos e os perseguiu. O que há de errado nisso? Nada além do fato de que se eu continuar falando darei spoilers e, não quero isso. Então concluo que eu me apaixonei pela história e pelo autor. Este foi meu terceiro livro de John Green e espero que vocês possam ver mais resenhas sobre os livros dele por aqui.


39 comentários:

  1. Ooiii
    acredito ou não eu nunca li nenhum livro do senhor verde kkkk, acho que não
    ia gostar muito, mas com certeza eu vou assistir Cidade de Papel quando chgar
    ao cinema,
    Bjks

    Passa Lá: http://ospapa-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme promete ser muito bom também, vai chegar em Julho to contando os dias!

      Excluir
  2. Ah, esse livro <3 E pô, me identifiquei total contigo, Thaísa. Também comecei com Cidades de Papel sem saber absolutamente nada sobre a história! Mas vamos com calma nesse comentário. Uma coisa de cada vez.

    Gosto de livros divididos por partes - além dos próprios capítulos. A primeira eu achei totalmente louca (mas aqui coloco de um jeito bom, sim?)! A abordagem de Margo e as coisas às quais ela e Quentin se submetem... achei ótimo e divertido de ler, mas fiquei o tempo inteiro pensando "eles não vão ser pegos? não há câmeras de segurança em lugar nenhum? caraaaaca!". Tanto que eu achei que as outras partes seriam sobre consequências referentes a isso. Pensei que eles seriam pegos, que a polícia entraria no meio (de um jeito diferente) e que o futuro do Quentin seria arruinado e que, por fim, ele se jogaria no baile de formatura que tanto criticou pra aproveitar o que ainda restou. Pensei que ele iria ao baile com Margo. Eu realmente achei que aquela pitomba de baile de formatura seria o foco principal depois e que todos terminariam nele! MAS QUÁ.

    A segunda parte, embora tenha sido fundamental no desenvolvimento das personagens, foi a que menos gostei (o que não significa que não tenha gostado. é apenas uma comparação com as outras duas). As coisas demoravam pra acontecer e eu sentia como se o tempo passasse tão lentamente pra mim como para Quentin. Me dava agonia. Parecia que nada aconteceria nunca!

    Aí veio a parte 3. O QUE É A PARTE 3?! Ela voou. Eu me senti dentro de uma van em alta velocidade e chorei de rir com as coisas que aconteceram nela (e, sim, fiquei apreensiva também). Particularmente não gostei do final. Teria gostado se na página seguinte tivesse um epílogo, mas não tinha. Eu fico incomodada com finais vagos, sabe? Sem saber o que acontece com as personagens depois. Ficar apenas com a suposição. Nesse ponto sou como Hazel (eu juro que não queria fazer comparações). Dá vontade de ir até o autor pra descobrir o que aconteceu, sabe? E é diferente como foi com A Culpa é das Estrelas. Em ACEDE a gente _sabe_ o que acontece, mesmo que tenha terminado como terminou. Em CdP ficamos no achismo. Ah, talvez ele tenha conseguido isso. Talvez tenha conseguido aquilo. Talvez os caminhos dos dois tenham se cruzado novamente. Talvez. Eu não gosto de talvez! Gosto do concreto! Do decidido!

    Mas isso não diminui o que sinto pelo livro. Gosto muito dele, muito mesmo, e foi uma leitura pra lá de gostosa <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nicole, como somos parecidas. Acho que também sou como a Hazel, embora eu tenha gostado deste final em especial. Geralmente não me dou bem com finais mal terminados também, mas, percebi que é o estilo de John, já que em QEVA? ele também fez isso.
      Realmente aquele momento em que Quentin andava sobre a relva foi um pouco estressante, haha, eu queria que ele a encontrasse logo e, em alguns momentos, acreditei que ela estivesse morta mesmo. Fiquei feliz que não estava, mas fico feliz que mais pessoas gostaram do livro como eu. Foi uma leitura e tanto esta!

      Excluir
  3. Também pensei assim em relação ao final <3 eu cheguei a ler umas resenhas e a maioria das que li foi justamente criticando o final iuahsiua eu estava me sentindo sozinha no mundo já lol e foi bem isso que me passava pela cabeça: "Quem disse que ela é, ou que nós somos obrigadas a ficar?"
    A Margo é assim! Seria muito estranho se no final ela resolvesse abrir mão do que ela tinha conseguido pra simplesmente voltar a vida que ela não queria. Também achei que de todos os personagens a Margo foi a que não evoluiu, mas a vida é assim né? Tem gente que se fecha nos "sou assim e não vou mudar" uiahsuia mas eu gostei muito dela, gosto de pessoas determinadas <3
    A única parte chata era que eu queria que o Quentin fosse mais rápido aiushuais embora eu entenda que foi melhor assim, afinal, ele não podia simplesmente largar tudo do nada, seria muito rápido então foi uma "agonia" boa xD
    Adorei a sua resenha *-* ainda quero ler QEVA? o/

    Loud Like Moi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Larissa, realmente, Quentin demorou bastante pra entender a pegada e descobrir onde ela estava, mas acho que toda a demora foi crucial para a evolução do personagem. Leia QEVA? e me diga o que achou ok?

      Excluir
  4. Oi, Thaísa!
    De John eu só li A culpa é das estrelas, mas como não fiquei encantada com o livro, não tive mais vontade de ler outros livros do autor. Vou esperar pelo filme e talvez eu volte a me interessar por algo.
    Se bem que sua resenha é tão apaixonante que faz a gente ficar contagiada.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nilda, legal saber que minha resenha te contagiou. Fico muito feliz. Assista ao filme de CdP e se gostar, dê uma chance ao livro.

      Excluir
  5. Adorei a resenha! E esse livro é um dos que mais quero ler, poxa, ele é um dos livro do João Verde que mais tenho vontade de conhecer, já li ACEDE e QEVA? , os dois me conquistaram e espero que esse também me conquiste! Você me deixou mais curioso ainda! :)

    Abraços e até!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luan, fico feliz que tenha gostado da resenha viu? É uma honra. Se gostou dos dois, vai adorar CdP porque é completamente diferente e criativo. Incrível, espero que goste.

      Excluir
  6. não vejo a hora de ler o meu livro!

    ResponderExcluir
  7. Olá; eu já li os outros dois livros que você citou, ganhei Cidades de Papel, mas ainda não li. Gosto do autor e tenho vontade de ler todos os livros dele, são histórias bem construídas e bonitas.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, tá esperando o que menina? Aproveita que já tem o livro e leia logo!

      Excluir
  8. Olá!
    Não curto muito o autor, só teve um livro dele que me interessou, foi Will & Will. Os filmes adaptados dos livros dele também não funcionaram comigo. Não tenho paciência, fico irritada :( Gente, será que sou muito rabugenta? aff
    As fotos de sua resenha estão lindas de viver. Adorei a cor do esmalte <3
    Pena não consegui interagir com sua resenha tão bem feita, pois desisti desse livro bem rapidinho :(
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lilian, o esmalte se chama "Desejo" da Risqué, haha. Will & Will é um dos únicos que eu não me interessei dele, por uma resenha negativa que eu li sobre, não me conquistou. Mas quero ler todos do John Green, gosto muito do autor.

      Excluir
  9. Olha eu ainda não tive a chance de ler nenhum dos livros do John Green, apesar de ter bastante interesse de fazer as leituras, porque todos comentam muito bem sobre suas obras, mas sinceramente eu ainda não tive oportunidade por conta da quantidade que tenho para ler e por isso eu fiz o meu THE BOOK JAR para poder me ajudar, porque se não vou sempre deixar os livros pra trás. Enfim...Mas a maneira como você abordou sobre a história me deixou bastante interessada e curiosa, principalmente agora que vai sair o filme né? Espero poder gostar, porque apenas vi o filme A CULPA É DAS ESTRELAS que aliás gostei, mas também não achei um FILME que fosse UAUUUUUUUUUUUU sabe? hehehehe...Mas enfim...

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-como-ser-popular.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvana, se o filme de Cidades de Papel for fiel ao livro, você tem tudo pra gostar. É uma história e tanto, muito eletrizante e cheia de aventura!

      Excluir
  10. Eu gostei muito da história, mas foi o livro mais "parado" que eu li do autor, ele tem uma trama legal, mas não me empolgou totalmente sabe? Achei enrolado em algumas partes. Mesmo assim estou curiosa para conferir a adaptação <3
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dessa, eu ja achei Quem é você Alasca? o mais enrolado do autor. Este eu não achei nem um pouco, gostei do ritmo.

      Excluir
  11. Olá!
    Eu também já li ACEDE e amei, e não gostei tanto assim de Quem é você, Alasca?, não que eu tenha odiado, mas não foi tudo o que eu esperava, malditas expectativas...
    Cidades de Papel está na minha fila de leitura, e espero que agrade, assim como lhe agradou. Muito bom saber que o enredo é ótimo e maneira como John conduz a história é como se estivesse nos carregando no colo.
    Ótima resenha!
    Beijos.

    Li
    literalizandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, espero que você goste do livro tanto quanto eu. Foi uma leitura e tanto!

      Excluir
  12. De todas as leituras do John Green que eu já fiz até hoje, Cidades de Papel foi o livro que eu menos gostei. Não sei, alguma coisa ficou faltando na história pra mim, e por mais que o enredo fosse legal, eu não consegui me conectar com os personagens igual em outros livros dele.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Débora, sinto muito. É triste quando não conseguimos nos conectar assim, mas espero que pelo menos do filme você goste.

      Excluir
  13. Oi, flor!
    Adorei saber que voltou a se encantar com a narrativa do John Green. É muito ruim quando lemos um livro maravilhoso e outro que nos decepciona de um mesmo autor. Ficamos sem saber o que esperar no próximo livro a ser lido dele. E não são todas as pessoas que se arriscam uma terceira vez. Fico feliz por você ter dado uma nova chance e ter encontrado uma história tão boa que parece te levar no colo, haha. Gostei do enredo e já tenho esse livro por aqui. Espero apenas ter o tempo necessário para lê-lo.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fran, realmente, eu mesma tive muito medo quando decidi dar mais uma chance à John e não me arrependo de forma alguma. Estou completamente apaixonada pelo modo dele de escrever, espero ler todos seus livros ainda!

      Excluir
  14. Oi Thaísa, tudo bem?
    Posso até ser um pouco radical, mas não tenho vontade de ler nenhum livro do Green.
    Desde que assisti ACEDE e detestei, a situação piorou.
    E é tão ruim quando gostamos de algum livro do autor e não gostamos de outro né? Mas que bom que esse te surpreendeu.
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angélica, realmente, é muito triste. Mas deve ter algum autor que te interesse tanto assim, certo? Aposte nele! Assista Cidades de Papel no cinema, ao menos.

      Excluir
  15. Oi, tudo bem?
    Fico feliz que tenha gostado desse livro, porque eu achei ele incrivelmente fraco! Não sei sinceramente quem achei mais chato se foi o Quentin ou a Margo. O Green parece que tem um dom pra criar personagens femininos insuportáveis como a Margo e a Alasca. Achei o Quentin muito infantil, tá certo que ele está na adolescência, mas tudo tem limites.
    Achei que o livro inteiro se resumiu a nada com aquele final. Ele passou o livro inteiro procurando ela e pra que?

    Abraços!
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maiara, em certo ponto concordo com você: Margo e Alasca são incrivelmente insuportáveis em alguns momentos. Margo até mais, se duvidar. Mas eu levei o livro a um entendimento bem maior e mais amplo, acho que tudo o que aconteceu (inclusive o final) abriu os olhos de Quentin pra vida, sabe? Consigo imaginá-lo tomando decisões, se formando, subindo de cargo no emprego e ao mesmo tempo tendo um olhar crítico sobre a sociedade. Quentin aprendeu a não ser superficial, aos meus olhos. Superficialidade acho que era o foco do Green, o livro é muito mais que uma busca por uma garota.

      Excluir
  16. Oi,
    Só li Acede e um conto do autor no livro Não deixe a neve cair e gostei muito de ambas as leituras, já li algumas resenhas negativas de Quem é você Alasca, confesso que depois de tudo que li fico ainda em dúvida se leio ou não, já cidade de Papel está aqui pra el breve, pelo que vi é um livro que envolve o leitor de tal maneira que ficamos alguns dias pensando nele.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos



    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  17. Oie! Tudo bem?

    Tenho uma amiga que leu e disse que não gostou. Me desanimou um pouco, sabe?! Mas ao ler sua resenha reanimei!! :D :D Ainda bem! Porque eu pretendo ver o filme e antes disso pretendo ler o livro. Coloquei-o na minha meta para esse ano.

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  18. Oi Thaíza, tudo bem?

    Já li Cidades de Papel e adorei também, embora ache o enredo um pouco parecido com "Quem é você, Alasca?". Margo foi uma cafajeste e Quentin muito chorão, mas não teve como não me apaixonar e odiar eles, rs.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Olá.
    Eu me decepcionei com ACEDE e estou com uma dúvida até hoje se devo ou não dar outra chance para o autor.
    Mas como você não se decepcionou com o Cidades de Papel acho que vou dar uma chance. Não por agora. Mas quem sabe um dia...

    ResponderExcluir
  20. Eu adoro o John Green e a sua forma de tornar algo comum em especial. Frases que ao primeiro momento não te dizem nada, mas quando aplicadas num contexto ela representam tudo. Acede foi uma leitura especial pra mim, mas cidade de papel foi apenas interessante. Me acrescentou algo, mas não achei tão maravilhoso como você.
    Excelnete resenha.

    ResponderExcluir
  21. Oie!!
    Temos opiniões trocadas com relação ao John Green.
    Eu amei a culpa é das estrelas assim como você mas, com relação a quem é você Alaska? e cidades de papel, trocamos de opiniões.
    Eu adorei Quem é você Alaska, enquanto Cidades de papel me deprimiu muito.
    A forma como a Margô vê as coisas e o pobre garoto fazendo de tudo por ela e ela no egoismo dela me deixaram bastante pra baixo.
    Mas, cada um tem uma opinião e gosta de uma coisa.
    Estou seguindo o seu blog.
    ;*

    www.saladadelivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Olá !
    Dou autor só li a culpa é das estrelas. O livro quem é vc alasca? não li pq li um spoiler e fiquei muito chateada rsrs. Estou louca pra ler por causa do autor é claro e por causa do filme que vai sair. Depois da sua resenha claro que vou procurar agora pra comprar. Adorei sua resenha tirou todas asminhas dúvidas se lia ou não o livro bjs

    http://malucaspor-romances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Esse livro será a minha próxima leitura. Estou ansiosa!! <3

    ResponderExcluir
  24. Ola! Tudo bem?
    Tenho vontade de ler esse livro. Parece un livro interesante.
    Gostei muito da sua resenha.
    Boas leituras! :-)
    http://abracalibro.blogspot.com.es

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.