Resenha: Como ser solteira de Liz Tuccillo

6 de abril de 2016

Título: Como ser solteira | Autora: Liz Tuccillo | Editora: Record |ISBN: 9788501087935 | Páginas: 434

Sinopse: "Depois de alguns drinques e uma péssima noite com as amigas, Julie Jenson chega à conclusão de que elas estão fazendo algo errado. Por que elas sempre se desapontam com os relacionamentos e não conseguem encontrar um único homem legal? Num rompante, Julie pede demissão e pega a estrada. De Paris ao Rio, passando por Sidney, Bali, Pequim, ela viaja pelo mundo para descobrir se alguém tem uma maneira melhor de lidar com a solteirice. Julie se apaixona, tem o coração partido, conhece o mundo e aprende mais do que achava possível em uma viagem."
Livro cedido em parceria com a editora Galera Record para resenha 

     Bom, o nome do livro sugere auto-ajuda; a sinopse nos lembra Sex and the city e o trailer do filme nos deixa morrendo de vontade de ler. Eu fui envolta por vários tipos diferentes de emoção durante a leitura e vou tentar ao máximo passar cada uma delas pra vocês durante essa resenha.
     O primeiro capítulo é um pouco confuso porque nele você vai conhecer todas as solteiras do livro: Alice; Ruby; Serena; Georgia e Julie. É também um pouco cansativo porque você precisa se envolver com a história de cada uma delas e aprender a reconhecer quem é quem, portanto o começo da leitura foi muito lento pra mim. Demorei uns dois dias pra me sentir realmente interessada e empolgada em finalizar o livro.
    A escrita da autora é ótima, fácil e até engraçada em vários momentos, mas eu acho que ela poderia ter sido bem mais objetiva; menos detalhista e o livro poderia ser bem menor. Ok, eu nunca reclamo de tamanho de livro e quantidade de páginas porque isso realmente não me incomoda se o livro for bom, mas aqui eu senti como se estivesse vendo um filme extremamente longo com várias cenas desnecessárias que pudessem ser cortadas.
    Deixando de lado estes pequenos pontos negativos o enredo do livro é surpreendente. Depois do quarto capítulo (os capítulos são bem longos) você não consegue simplesmente largar o livro, o fato coincidiu também com a chegada de Thomas e uma decisão importante de Julie: deixar tudo para trás e descobrir como é ser solteira ao redor do mundo, mas não apenas para se divertir e inflar seu ego, mas para escrever um livro e  ajudar outras mulheres solteiras também.
    O livro correu muito bem, deu reviravoltas incríveis e me fez rir bastante, mas também me fez entender que: tudo bem ser solteira. Não tem problema se envolver com alguém só por uma noite e por diversão; não é nossa culpa se no dia seguinte o cara não ligar e se isso acontecer tudo bem também. O livro funcionou perfeitamente para me abrir os olhos e eu espero que tenha o mesmo efeito nas outras mulheres que o lerem também, porque o que não está certo é ficarmos criando expectativas, nos desesperando, lendo estatísticas com medo de ficarmos solteiras para sempre e sem filhos. O importante é amarmos a nós mesmas e só então seremos capazes de amar outras pessoas suficientes,  só então receberemos o valor que merecemos e este virá de nós mesmas porque se tem uma coisa que a mulher não é obrigada é ficar sentada esperando algum homem que a dê valor: levante-se e valorize-se por si mesma. Ame a ti mesma. Foi basicamente isso que eu aprendi com o livro.
    Outro pequeno e último detalhe que me incomodou foi o modo como terminou, apesar de muita coisa ter mudado desde o começo da história eu esperava um pouco mais do final. Faltou aquela cartada chefe sabe? Aquele triunfo que eu achei que a autora tivesse debaixo da manga, não tinha. Porém foi um final ok. Nada de desastroso, isso já basta. Recomendo o livro a qualquer um que tenha gostado de Sex and the city, por questões de gênero parecido.

16 comentários:

  1. Thaísa, eu vi a sinopse desse livro e o trailer do filme. Em ambas as situações eu concluí que essa história não é pra mim e sua resenha só vem confirmar isso.
    Essa vou deixar passar.


    Beijos!


    www.oblogdasan.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. San, é uma pena porque o livro é bem divertido.

      Excluir
  2. Genteeeee, não sabia que era um livro!! Fiquei sabendo do filme (não cheguei a ver o trailer, vou ver agora) e fiquei interessada só pelo título. Acabei não vendo porque ficou uma semana só no cinema (chora!), mas agora que fiquei sabendo que é um livro, já quero!! Me identifiquei com você e a dificuldade de me localizar quando tem muito personagem e muita história para assimilar. Adorei toda a premissa de ame a si mesma. Digo isso sempre!! Preciso muito do livro, mesmo que tenha medo desse final ok, vou apostar que compense pelas aventuras vividas no meio dele.
    Beijos!
    Laury

    ResponderExcluir
  3. Oie
    eu tenho o livro faz um tempo mas ainda não li, espero conseguir ler em breve para finalmente ver o filme que parece estar super legal, adorei sua resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cath, quero ver o filme agora pra saber se é parecido!

      Excluir
  4. Olá Thaísa! Confesso que estava curiosa para ler o livro por causa da adaptação cinematográfica que não vi ainda. Gostei dessa imagem do amar a si mesmo e desencanar por estar solteira, pois eu concordo. Tudo bem se você encontrou alguém que te faz sentir especial, mas se ainda não, tem mais que aproveitar a vida não a nenhum problema em ser solteira.
    Com vinte e três anos minha família sempre solta a perguntinha de ouro "e o namorado, quando vai aparecer?" adoro dizer que eu tenho o mundo todo para descobrir e viajar ainda antes de ter um namorado rsrs...

    umreinomuitodistante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! Apesar de eu estar namorando, descobrir o feminismo e aprender a empoderar a mim mesma e outras mulheres nos últimos anos tem me feito olhar pra tudo de uma forma diferente. Hoje sei que mesmo comprometida sou livre e aprendi a pensar que se não der certo ok, não sou obrigada a ter um relacionamento estável pra agradar ninguém. Sou feliz demais com a minha companhia.

      Excluir
  5. Eu me surpreendi. Torci o nariz quando ouvi falar do livro, por conta desse título aí. Esse assunto é um tanto delicado pra mim, he.

    Mas eu gosto de livros com várias personagens. Acho que fica mais agitado, com mais ações e interações. Isso me agrada bastante <3

    ResponderExcluir
  6. Adoro livros com essa mensagem de que podemos ser felizes desde que aceitemos e amemos a nós mesmas. :) Estar solteira não é o fim do mundo. Aliás, se encontrar alguém, que seja para somar e não para ser o sentido de toda a nossa existência. Eu gostei do livro, especialmente por ser engraçado, mesmo com os pontos fracos que mencionou.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá, já vi ótimas críticas a respeito desse livro e estou bem interessada em ler...a adaptação parece ser bem divertida, quero conferir também!

    Abraços
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Eu até tenho vontade de ler esse livro, mas esse fato (que não foi só na sua resenha que vi) de ter muitas páginas com cenas que poderia ser cortadas, me desanima. Eu sou muito apressada, e gosto de livros bem objetivos, rápidos de ler (mesmo com tantas páginas desde que todas bem necessárias)... Enfim, vou começar pelo filme!

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
  9. Realmente, o nome do livro sugere autoajuda. Aqueles manuais de comportamento bem toscos. A sinopse realmente lembra Sex and the city, que por sinal, gosto bastante. Mas conforme fui lendo sua resenha, e você falando da falta de objetividade, já fiquei pé atrás novamente.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Depois de ler sua resenha, fui correndo no site que assisto filmes pra ver, mas, ainda não tem disponível...pena. Fiquei bastante animada, gosto de filmes com mulheres reunidas, sempre dá confusão! rsrs
    Mas, já que não temos o filme o jeito é mergulhar no livro, concorda? rs
    Valeu pela dica, adorei!
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem? Não me empolgou esse livro. Como você disse, o nome sugere um livro de autoajuda. Não vejo problemas das pessoas serem solteiras. Podemos ser felizes sozinhos. Na verdade, podemos ser felizes do jeito que acharmos mais conveniente. Esse não é um livro para mim, mas gostei da resenha.
    Beijos

    Academia Literária DF


    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.